skip to content

UFOP dá início ao processo de Creditação

Twitter icon
Facebook icon
Google icon

O procedimento, que está de acordo com o proposto pelo Plano Nacional de Educação (PNE) para a gestão 2014-2024, prevê que, até 2025, todos os cursos de graduação tenham em sua grade curricular uma carga horária de 10% voltada para atividades de extensão.

Para estudar como tem sido realizada a implementação da creditação em outras instituições, buscando debater e melhorar o processo dentro da UFOP, foi criada a Comissão da Creditação. Fazem parte dessa comissão extensionistas do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas (ICSA), do Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) e do Instituto de Ciências Exatas Aplicadas (ICEA), membros do Comitê de Extensão, além de representantes das pró-reitorias de Extensão (PROEX), Graduação (PROGRAD) e Pesquisa e Pós-Graduação (PROPP).

Com o intuito de informar a comunidade acadêmica sobre o processo, estão sendo realizados seminários em todas as unidades da UFOP. O pró-reitor de Extensão, Marcos Knupp, conta que a realização dessas conferências é importante no sentido de "buscar soluções conjuntas, porque é preciso pensar na Universidade e na diversidade de cursos que temos aqui dentro da instituição".

Uma novidade em relação às ações extensionistas é a extinção de coeficiente mínimo para voluntários, uma vez que todos os alunos serão obrigados a participar das atividades em algum momento da graduação. 

O pró-reitor adjunto de Extensão, Wilson Oliveira, salienta também a possibilidade que os alunos terão de transitar por outras áreas de estudo. "É importante deixar claro que o aluno não tem que estar vinculado ao curso que ele faz na Universidade, ele pode cumprir as horas de extensão em qualquer projeto ou programa pelo qual se sentir atraído ou motivado", diz.

PLANO - O PNE, que foi determinado a partir da lei federal 13.005, de 25 de junho de 2014, tem como principais diretrizes melhorar a qualidade da Educação no país, universalizar o atendimento escolar, valorizar os profissionais da Educação e erradicar o analfabetismo. Sua criação se deu a partir de debates e articulações entre estudantes, professores, agentes públicos, entidades ligadas à Educação e a sociedade civil.