skip to content

Dia da Luta Antimanicomial é lembrado em seminário sobre saúde mental

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Daniel Tulher

Com a temática “Faz escuro, mas eu canto. Liberdade em todo canto”, foi realizado, na sexta (19), no Sesi Mariana, o III Seminário de Saúde Mental. O evento teve participação de diferentes profissionais e especialistas da saúde mental para debater questões sobre o tema, dando ênfase ao Dia da Luta Antimanicomial, celebrado em 18 de maio.

Os convidados participaram de mesas que abordaram temas como autonomia e mobilidade do sujeito, consumo de substâncias e exclusão social; e atenção psicossocial: desafios de territorialização. Além dos debates, o evento recebeu usuários do Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil (Crescer Mariana) e do Centro de Atenção Psicossocial Mariana (CAPS), para apresentações culturais de música, teatro e capoeira. 

Na mesa “Consumo de drogas e exclusão social”, a arte-educadora do Consultório de Rua Noroeste de Belo Horizonte, Daniela Ramos; a psicóloga e professora da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Cristiane Santos; e o psiquiatra e professor da UFMG, Luís Fernando Couto, compartilharam suas experiências e discutiram sobre abuso de álcool e outras substâncias danosas em jovens e adultos.

Sob mediação da psicóloga do CRESCER/Mariana, Germana Bonfioli, os convidados da mesa trouxeram questões como o julgamento social que dependentes químicos recebem, as medidas tomadas para redução de danos e o atendimento oferecido para essas pessoas. 

Dentre os fatores sociais causados pelo uso de drogas, a segregação e a exclusão ganharam destaque na fala dos convidados. Segundo Daniela, a questão social antecede o consumo de substâncias. A arte-educadora explica a importância de lidar com os usuários sob a perspectiva da redução de danos. “É importante ampliar o vínculo dos usuários sem romper a relação deles com a droga, mas sim construir laços e, em seguida, iniciar o processo de reduzir danos sob a perspectiva da responsabilidade social”, explica.

O psiquiatra Luís Couto enumerou algumas funções das drogas a serem consideradas na relação dos jovens. “As drogas entram nessa fase da vida para fazê-lo estabelecer um lugar no mundo; ajudá-lo ou impossibilitá-lo de fazer novos vínculos; ou, ainda, inibir a criação desses vínculos tornando-o dependente químico e, por último, interferir na relação dele com seu próprio corpo”, acrescenta. Além disso, Couto salientou a importância do amparo a esses jovens no momento de transição da infância para a adolescência.

Nos desdobramentos da mesa, também foi discutida a relação da sociedade com os usuários de drogas. Invisibilidade e preconceito foram palavras utilizadas para definir a diferença do tratamento social entre usuários de drogas lícitas e ilícitas. 

A psicóloga Cristiane Santos chamou a atenção para a necessidade de deslocar a pena moralista que a sociedade atribui ao usuário de droga. “As pessoas fazem um pandemônio quando se trata de crack, mas nós sabemos que, numericamente, a droga mais utilizada é o álcool. Esse posicionamento está muito carregado aos nossos preconceitos e moralismos”, acrescenta.

dani_arbex.jpg

Daniel Tulher
A jornalista Daniela Arbex conversou com o público após a exibição do documentário


HOLOCAUSTO BRASILEIRO - No encerramento da terceira edição do Seminário, houve a exibição do documentário “Holocausto Brasileiro”, baseado no livro-reportagem de mesmo nome da jornalista Daniela Arbex. A exibição foi uma parceria entre o Instituto de Ciências Sociais Aplicadas (ICSA), Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) e o Cine CAPS. 

O livro de Daniela Arbex conta a história do Hospital Colônia, o maior hospital psiquiátrico do Brasil, localizado em Barbacena, Minas Gerais, onde cerca de 60 mil pessoas foram mortas entre 1903 e 1980. 

Após a exibição do filme, a professora do curso de Jornalismo da UFOP, Marta Maia, mediou uma roda de conversa entre o público e a escritora. No bate-papo, a jornalista contou as dificuldades enfrentadas no processo de escrita do livro e os desafios na direção do documentário. “O meu papel, enquanto jornalista, foi dar a possibilidade para que essas pessoas pudessem se revelar, contar a história delas. O trabalho de pesquisa foi árduo, minha maior dificuldade foi encontrar os sobreviventes, mas eles estavam dispostos a falar, só faltava alguém para ouvi-los” finaliza.

Veja também

12 Julho 2018

Excepcionalmente nesta sexta-feira (13), a sala de vacinação funcionará das 8h às 10h30.

Leia mais

11 Julho 2018

O projeto Âmbar/UFOP atuará no evento Bem Estar Global com a realização de atividades direcionadas à prevenção do câncer do...

Leia mais

21 Junho 2018

Estudantes do setor de Citologia do Laboratório Piloto de Análises Clínicas (Lapac) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), em...

Leia mais

17 Maio 2018

A Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe já acontece no Centro de Saúde da UFOP, campus Morro do Cruzeiro...

Leia mais