skip to content

Projeto de Extensão pesquisa violência contra a mulher na Região dos Inconfidentes

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Íris Jesus
Pesquisar, prevenir e lutar contra a violência de gênero. Essa é a proposta da Rede de atenção às mulheres na região dos Inconfidentes (RAMui), do projeto de extensão “Ações de enfrentamento à violência contra mulher na região dos Inconfidentes/MG”, em parceria com o Programa Âmbar - Desafios e ações em saúde da mulher. A RAMui, que integra alunos, alunas, professores e professoras dos cursos de Medicina e de Farmácia da UFOP, tem como meta suprir a falta de estruturas de atendimento e acolhimento às mulheres vítimas de diferentes tipos de violência em Ouro Preto e, posteriormente, em Mariana. 

Aprovada em abril deste ano pela Pró-Reitoria de Extensão (Proex) e iniciada em maio, a RAMui é dividida em fases de atuação, para identificar os problemas e os dilemas da violência de gênero. A primeira fase do projeto traçou um perfil dessa violência na cidade, com verificação de dados e notificações de boletins de ocorrência (B.O), por exemplo. Hoje, a rede está em sua segunda fase, que consiste em identificar os serviços e grupos, tanto da UFOP quanto da comunidade, que trabalham com essa temática, e tentar firmar parcerias. Por último, o projeto tem como objetivo criar e oferecer uma cartilha apresentando as medidas que as mulheres vítimas de violência podem tomar e os setores especializados aos quais podem recorrer, além de oferecer a elas suporte e assistência junto aos parceiros estabelecidos. 

Segundo Elaine Machado, professora da Escola de Medicina (Emed) e idealizadora da RAMui, Ouro Preto possui algumas ações voltadas para a questão, mas ainda muito fragmentadas. Sem uma Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) no município e sem o amparo adequado do Estado e da sociedade, a tendência é que essas mulheres se calem e não denunciem. Além disso, a falta de capacitação dos profissionais que lidam diretamente com as vítimas não é eficiente, expondo-as a mais violência e fragilidade. 

Para Machado, a rede será um canal de integração entre universidade e comunidade, já que essa discussão muitas vezes passa despercebida, pelo fato de Ouro Preto ser uma cidade turística e republicana. “A gente vê a violência como algo externo mas, na realidade, está muito mais próxima, muito mais imbricada no nosso dia a dia e a gente não percebe”, alerta. 

Entraves - A professora também comenta sobre as dificuldades do projeto. Uma delas é o baixo financiamento para a confecção das cartilhas, quando a terceira fase da RAMui for atingida. Outro obstáculo é que “a violência contra a mulher infelizmente ainda não é prioridade nas agendas de saúde e de políticas públicas”, o que pode gerar menos reconhecimento da rede enquanto pesquisa de produção científica-social. 

O projeto “Ações de enfrentamento à violência contra mulher na região dos Inconfidentes/MG” tem duração de um ano, mas a proposta é dar continuidade à RAMui. Atualmente, o grupo de pesquisa da rede é coordenado por Elaine Machado e por Elza Oliveira, da Escola de Farmácia (Efar), e conta com outras três professoras e um professor, além de bolsistas e voluntárias. Um grupo de estudos sobre desigualdade e gênero está sendo criado para incentivar o debate, com reuniões abertas para abordar temas relacionados a gênero e sexualidade. 

Para acompanhar o andamento dos projetos e do grupo de estudos, acesse o Facebook da RAMui e do Programa Âmbar

Você sabia?
- A violência contra a mulher não se resume apenas à violência física. Existem também a violência psicológica, que inclui ameaças, manipulação, perseguição e chantagens; a violência sexual, que se manifesta pela prática de relações sexuais sem consentimento, com o uso de força física; a violência patrimonial, onde o homem promove a destruição ou a retenção de objetos, documentos e bens; e a violência moral, relacionada à calúnia, à difamação ou à injúria. 

- O Brasil faz parte de uma minoria de países que possuem uma legislação específica sobre proteção à mulher, como a Lei 11.340/2006, também conhecida como Lei Maria da Penha. Ela foi aprovada com o intuito de aumentar o rigor das punições às agressões contra as mulheres, possibilitando a figura do “flagrante” e a prisão preventiva, além de aumentar a pena e outras medidas protetoras. 

Veja também

10 Março 2020

O Fórum Técnico Minas Gerais pela Ciência - Por um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável teve início na Universidade Federal de...

Leia mais

2 Março 2020

A Prefeitura de Ouro Preto realiza neste sábado (7) a Sétima Conferência da Cidade, que tratará da revisão do Plano...

Leia mais

18 Fevereiro 2020

Em junho deste ano são celebrados os 300 anos da Revolta de Vila Rica, e, para marcar a data, uma...

Leia mais

12 Fevereiro 2020

A UFOP participa com dois vídeos na primeira edição do Concurso Audiovisual da Associação Nacional das Instituições Federais de Ensino...

Leia mais