skip to content

I Semana de Estudos em Educação finaliza com oficinas, mesas e minicursos

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Com: 
Matheus Santos
O evento teve início nesta terça (10) e encerrou ontem (12). Ao longo dos três dias, foram realizados debates e atividades práticas.
 

img_2545.jpg

Matheus Santos
Crianças participam de atividades na brinquedoteca do ICHS
Durantes as manhãs, foram realizadas atividades para crianças de escolas públicas de Mariana na brinquedoteca do Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS). Dentre as ações realizadas, houve contação de histórias, brincadeiras e uma oficina de turbante. Estiveram presentes alunos da Escola Estadual Professora Santa Godoy, do Centro de Educação Municipal Padre Avelar e da Escola Municipal Paracatu de Baixo. Para o estudante de Pedagogia Luiz Basílio, “é muito importante que as redes municipal e estadual da cidade usufruam também do espaço da universidade e que haja um constante diálogo entre a educação básica e superior”.
 
A oficina “Meu crespo, nossa história: Pedagogia do cabelo” contou com atividades relacionadas à cultura africana e foi oferecida às crianças na quarta-feira (11). Os participantes descreveram reis e rainhas africanos através de desenhos e confecção de turbantes. “Eles não imaginavam que o turbante também fosse uma coroa”, conta a estudante de jornalismo Thaís Domingos, que ministrou a oficina. “Pra mim foi uma experiência incrível falar sobre nossa cultura de uma maneira que as crianças aprendam, entendam e partilhem isso com a gente. Foi uma oportunidade muito enriquecedora pra mim, que não tive esse contato quando criança”, conclui. 
 

whatsapp_image_2019-09-13_at_11.47.38.jpeg

Arquivo Pessoal - Luiz Basílio
Convidados da mesa de encerramento
No mesmo dia, foi realizada a mesa “Referenciais teóricos e metodológicos de pesquisas com professores”, com a participação dos professores Nilzilene Imaculada Lucindo, Andressa Maris Rezende Oliveri, Hudney Alves Faria de Carvalho e Maria Cecília Pereira Soares. Outro debate teve como tema “Diversidade e Educação: reflexões sobre práticas inovadoras”, e centrou sua discussão na educação básica. Os convidados foram o doutorando Cláudio Marques da Silva Neto, diretor de uma escola pública em São Paulo referência pela UNESCO; as professoras Analise de Jesus da Silva, com mais de 30 anos de experiência na educação básica; e Elodia Lebourg, que coordena uma rede de professoras com práticas pedagógicas diferenciadas.
 
ENCERRAMENTO - Na quinta-feira (12) foi realizada a mesa de encerramento da I Semana de Ensino "Políticas afirmativas de acesso e permanência da população negra, da graduação aos concursos públicos: reflexões sobre as cotas raciais", com a participação da mestranda em Educação Adelina Barbosa, do pró-reitor adjunto de Graduação, Adilson Pereira dos Santos, e dos professores do Departamento de Educação, Erisvaldo Pereira dos Santos e Marcelo Donizette da Silva.
 
Os convidados debateram sobre o que são ações afirmativas e a importância de elas existirem.
"O Estado abandonou por muito tempo a escola pública, e os negros de baixa renda não tinham condições de ingressar na Universidade, e os poucos que entravam iam para os chamados cursos de menor prestígio", aponta Adilson sobre a democracia racial no Brasil.
 

whatsapp_image_2019-09-12_at_20.00.42.jpeg

Matheus Santos
Walkiria participou da oficina “Meu crespo, nossa história"
Marcelo diz que muitos insistem em dizer que o país está livre de racismo, o que é, segundo ele, equivocado, e a prova disso está na pequena quantidade de alunos negros no ensino básico e superior e no incômodo, de alguns, que surgiu depois da existência da lei de cotas. Adelina, inclusive, apontou que todos que estavam na mesa são intelectuais negros e eles, com a pouca evolução na luta, — que precisa ser contínua — contra o racismo, "abriram caminhos para os negros estarem na Universidade". 
 
A mestranda comentou também sobre a branquitude além da cor da pele, a autonomia das instituições públicas para lutar, através das políticas afirmativas, contra a desigualdade racial, incentivando a comunidade ao debate, escancarando o racismo. Mas Adelina também diz que a questão não pode ficar só no debate: é preciso, segundo a mestranda, participar do máximo de espaços possíveis e espaços que não sejam precarizados.
 
Walkiria Gabriele Elias da Costa, estudante de Pedagogia e membro do coletivo "Negro Braima Mané", compartilha do mesmo pensamento de Adelina. Apesar de ver a importância da Semana de Educação na hora de pensar em novas epistemologias, Walkíria diz que a mudança "depende de os estudantes que estão participando da Semana colocarem em prática o que está sendo trazido como teoria. Algumas políticas ficam somente no papel e isso [a mudança] depende do esforço coletivo, o que ainda é muito difícil".
 
O professor Erisvaldo apresentou as mesmas preocupações da estudante. Ele comentou sobre o pequeno avanço com as políticas públicas, mas aponta que isso não é o suficiente, já que a universidade tem caráter elitista e os professores devem pensar na epistemologia que oferecem. "A Universidade não foi pensada para nós [negros], e ainda não é, e por isso devemos pegar os textos mais difíceis e transformá-los em uma linguagem mais simples para todos. Isso é uma forma de resistência", afirma. Segundo o professor, escolher a carreira docente foi um ato político.

Veja também

19 Janeiro 2016

Com uma exposição curricular que mostrará um recorte de todo o aprendizado adquirido ao longo do curso de Museologia da...

Leia mais

22 Janeiro 2016

O professor da UFOP Everton Rocha Soares e a mãe Marlete Rocha Soares emergem nas histórias vividas por sua família...

Leia mais

22 Janeiro 2016

O grupo Mulheres em Chama, formado por estudantes de Artes Cênicas da Ufop, está realizando ensaios abertos como preparação para...

Leia mais

1 Fevereiro 2016

O Projeto Sou Mais Juventude solicita aos docentes da Universidade, que enviem pesquisas e trabalhos desenvolvidos sobre o vazamento de...

Leia mais