skip to content

Liga de Geriatria e Gerontologia tem aula inaugural com autora do livro "Eu sobrevivi ao Holocausto"

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Nanette Blitz Konig, autora do livro "Eu sobrevivi ao Holocausto", lançado em 2015, ministrou a aula inaugural do segundo semestre de 2019 da Liga Acadêmica de Geriatria e Gerontologia (LIGG) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Nanette Konig tem 90 anos, reside em São Paulo desde 1950 e costuma dar palestras pelo Brasil, porém, por conta da idade avançada, participou do evento por meio de videoconferência.
 
Em 1944, a autora de "Eu sobrevivi ao Holocausto" foi prisioneira em Bergen-Belsen, campo de concentração conhecido como "campo de estrela", localizado na Holanda, e que não era necessariamente de extermínio, mas, segundo ela, era igualmente insuportável.
 

08685_foto1_7308376054336552769.jpg

Lívia Ferreira
Estudante Renata Barreto que sugeriu à LIGG convidar Nanette Konig
Renata Durães Vaz de Melo Barreto, aluna de Medicina e responsável pela organização do evento, entende que poder falar com ela é diferente de ver seus vídeos no youtube e, emocionada, diz que a aula foi uma oportunidade única. "Contar para a gente uma experiência que ela viveu contribui muito para a liga, nós temos muito o que aprender com os idosos, saber como eram as coisas no passado e como foi sua história de vida", analisa.
 
Nanette Konig demorou a se recuperar do trauma de ter sido vítima do Holocausto e, mais ainda, de ter sido a única da família a sobreviver, mas entende a importância de falar sobre sua experiência. Com um auditório lotado, Nanette lembrou a todos que em breve não haverá sobreviventes vivos e que os jovens precisam saber sobre tudo o que aconteceu para que não aconteça novamente e, caso aconteça, para que possam lutar contra.
 
"Ao chegar em Bergen-Belsen tivemos que andar para chegar ao ponto, o trajeto era acompanhado de cães treinados para atacar e matar (...) As condições eram tão deploráveis que os prisioneiros morriam de fome, doenças e maus tratos, o dia a dia era uma constante luta para sobreviver e as condições das famílias eram imundas e desconfortantes", enfatizou Nanette, mostrando-se ainda ressentida com tudo por que passou.
 

08691_foto7_9091296108555597406.jpg

Lívia Ferreira
Nanette Konig conta com detalhes sua história de vida
A palestrante falou sobre o contexto histórico da guerra, como era o cotidiano dos judeus e outros perseguidos, como ela e sua família foram capturadas, sobre o medo dos prisioneiros de morrerem a qualquer momento e a indignação pela forma como eram tratados, sobre cada dia que ela perdia mais um membro da família, sobre Anne Frank e, por fim, sobre o que aconteceu depois que a guerra acabou.
 
LIGA ACADÊMICA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA (LIGG) - Com reuniões quinzenais, o grupo de estudos tem membros de todos os cursos da área da saúde e do curso de Direito. A liga possibilita projetos de extensão e de pesquisa, idas a asilos e todo começo de período o grupo organiza aulas inaugurais com temas relacionados à geriatria e à gerontologia. Foi inicialmente organizada pelo professor Fausto Aloísio Pedrosa Pimenta, do Departamento de Medicina.
 
ANNE FRANK - Quando a Alemanha ocupou a Holanda os judeus passaram a ter uma rotina diferente. Alguns conseguiram sair do país, mas a maioria precisou se esconder, obedecer ao toque de recolher e os alunos judeus tinham de frequentar escolas separadas. Apesar de não demorarem a se separar por conta da perseguição judia, foi nessa ocasião, em outubro de 1941, que Nanette e Anne se tornaram amigas. Nanette conseguiu se aproximar no Campo de Concentração de Anne e sua irmã Margot, em janeiro de 1945, meses depois que as irmãs Frank foram capturadas, quando removeram os arames que as separavam. Nanette descreveu quão debilitada Anne estava e tudo o que a garota contou a ela, como sobre o esconderijo onde viveram e seu diário. "Jamais esquecerei do nosso emocionante encontro". 

Veja também

19 Janeiro 2016

Com uma exposição curricular que mostrará um recorte de todo o aprendizado adquirido ao longo do curso de Museologia da...

Leia mais

22 Janeiro 2016

O professor da UFOP Everton Rocha Soares e a mãe Marlete Rocha Soares emergem nas histórias vividas por sua família...

Leia mais

22 Janeiro 2016

O grupo Mulheres em Chama, formado por estudantes de Artes Cênicas da Ufop, está realizando ensaios abertos como preparação para...

Leia mais

1 Fevereiro 2016

O Projeto Sou Mais Juventude solicita aos docentes da Universidade, que enviem pesquisas e trabalhos desenvolvidos sobre o vazamento de...

Leia mais