Ir para o conteúdo

Pesquisadores da UFOP desenvolvem película capaz de prolongar a vida útil de frutas e verduras

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
NPG
Pesquisadores da Escola de Nutrição da UFOP, coordenados pela professora Luciana Rodrigues da Cunha, desenvolveram uma película comestível a partir do extrato de abricó que aumenta o período de conservação de alimentos minimamente processados. A descoberta vem ao encontro de uma crescente demanda no mercado por alimentos higienizados, cortados e embalados para serem consumidos de forma mais natural.
 
Quando cortados, os alimentos passam a ter uma vida útil mais curta, em razão do rompimento dos tecidos, da exposição ao ar e da liberação de enzimas e substratos. Isso desencadeia uma série de reações químicas, que causam, por exemplo, o escurecimento enzimático e uma deterioração mais rápida. No estudo feito com a maçã e a mandioquinha, os resultados mostraram que os alimentos envoltos com a película foram conservados por 15 dias, um período de vida útil cinco vezes maior que o convencional, de três dias.
 
A ampliação da conservação se dá porque a película contém compostos fenólicos provenientes da polpa do abricó, uma fruta comum em regiões costeiras do Brasil. Esses compostos têm efeitos antioxidantes e antimicrobianos, além de trazer benefícios à saúde, como a prevenção de doenças crônicas.
 
"Pessoas que consumirem alimentos ricos em compostos fenólicos também terão benefícios, justamente por combater o estresse oxidativo e os radicais livres em nosso corpo. Então, reduz o risco de desenvolvimento de uma série de doenças. Além do efeito no alimento, as pessoas que os consumirem estarão ingerindo compostos que fazem bem à saúde", explica Luciana.
 
Os compostos fenólicos foram incorporados a uma película à base de pectina, um carboidrato presente em vegetais. O componente, em um primeiro momento, apresenta uma textura mais líquida e viscosa, permitindo que os alimentos sejam imersos nele e, depois de um tempo, o material endurece e forma uma fina película ao redor do alimento.
 
 

foto_experimento_abrico.jpg

Arquivo Pessoal
Os alimentos são imersos na película, ainda em estado líquido, antes dela endurecer.
 
A constatação da eficiência da película é apenas uma etapa da pesquisa. O próximo passo consiste na análise sensorial, em que será analisado se a película provoca alterações no sabor dos alimentos, além da tentativa de otimizar a extração dos compostos fenólicos do abricó.
 
Na Escola de Nutrição da UFOP, existe uma linha de pesquisa que estuda a extração de compostos fenólicos de frutas, hortaliças e resíduos. "Temos agora um projeto financiado pela Fapemig para extração desses compostos fenólicos da casca do arroz e do café. Então a gente busca sempre extrair esses compostos para serem utilizados como agentes antimicrobianos. No futuro, a ideia seria substituir conservantes sintéticos utilizados pela indústria de alimentos por compostos naturais", comenta a professora.
 
Luciana revela que a comercialização da película é uma possibilidade e, inclusive, uma meta. No entanto, depende também do interesse de terceiros e do avanço em outras etapas da pesquisa: "Tivemos um resultado interessante, mas depende de alguma empresa acreditar no trabalho e financiar ou tornar-se parceira".
 
A pesquisa contou com a parceria dos professores Uelinton Manoel Pinto e Neuza Hassimotto, da Universidade de São Paulo (USP), responsáveis pela identificação dos compostos fenólicos presentes no extrato do abricó. Os demais processos, como a extração, quantificação, caracterização, desenvolvimento e aplicação da película, foram realizados na UFOP.
 
O artigo foi publicado no periódico internacional BioMed Research International.
 

Veja também

13 Maio 2024

O XI Simpósio Brasileiro de Exploração Mineral é referência em prospecção mineral no país e aborda temáticas relacionadas aos novos...

Leia mais

7 Maio 2024

A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Proppi) prorroga as inscrições de projetos para os respectivos editais de iniciação científica...

Leia mais

6 Maio 2024

O livro "Boas Práticas Pedagógicas e Gestão Inovadora" foi lançado pela editora Pimenta Cultural e organizado pelas professoras do Departamento...

Leia mais

3 Maio 2024

O professor do Departamento de Jornalismo (Dejor) da UFOP, Adriano Medeiros da Rocha passa a colaborar diretamente com a equipe...

Leia mais