skip to content

Palestra aborda saúde mental na universidade com um enfoque racial

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Tuila Dias
Na última terça (26), ocorreu no Instituto de Ciências Humanas e Sociais (ICHS) a palestra "Vamos conversar sobre saúde mental na universidade?", com a psicóloga social, psicanalista e coordenadora da comissão de relações étnico-raciais do Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais, Thalita Rodrigues. A iniciativa foi promovida pelo Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (NEABI) e pelo Centro Acadêmico de Pedagogia (CAPED), ambos da UFOP.
 
Thalita Rorigues abordou alguns estudos que apontam que o surgimento de transtornos mentais pela primeira vez pode ocorrer no meio universitário devido à mudança de cidade, solidão, cobranças e cumprimentos de prazos acadêmicos. Para a psicóloga, "a universidade tem um lugar diferenciado no adoecimento, principalmente por ser um espaço que ainda trabalha com a lógica meritocrática. É um espaço extremamente competitivo, que não está muito atento à trajetória de vida, ao que você está sentindo, pensando". Além disso, para a psicóloga, o contexto pessoal — como a desigualdade social, as condições econômicas, a presença do racismo, entre outras — também pode interferir na saúde mental dos estudantes e na forma como eles irão cursar a graduação, mas, "independentemente do que é apontado como causa do adoecimento mental, a universidade deve realizar um acolhimento responsável das universitárias e dos universitários", explica.
 
Para mostrar como o racismo pode afetar a saúde mental da população negra desde a infância, Thalita falou sobre as mensagens enigmáticas sobre raça, isto é, visões pejorativas enfatizadas na sociedade e disseminadas pela mídia sobre pessoas negras. Para isso, a psicóloga exibiu parte do vídeo “Teste das bonecas e relações raciais”no qual várias crianças negras e brancas recebem uma folha com cinco bonecas e, ao serem questionadas sobre quem são as bonecas malvadas, ruins e feias, apontam sempre as bonecas negras. De acordo com Thalita, essas mensagens enigmáticas também estão presentes no meio universitário, principalmente na forma como alunos negros são vistos, o que causa as discriminações raciais. A psicóloga ainda questionou: "Se há um sofrimento inegável, aliás, nem é inegável porque tem muita gente que discorda que a população negra sofra mais por conta do racismo, como é que a população branca está diante disso tudo? O que pode ser feito para pensar essas relações raciais? O que é comum a brancos e negros na universidade? O que há de específico?"

teste3.jpg

Tuila Dias
Luana Tolentino falando sobre o seu livro
 Lançamento de livro - Após a palestra, a mestra em Educação pela UFOP e professora de História Luana Tolentino lançou seu livro Outra educação é possível: feminismo, antirracismo e inclusão em sala de aula. Resultado de dez anos de experiências da autora em escolas públicas de periferia de Minas Gerais, a obra visa refletir sobre a Educação e repensá-la em uma perspectiva mais humana, inclusiva e libertadora. Segundo Luana, o livro também repensa o modelo de Educação, ainda muito eurocêntrico, e propõe "outros padrões de educação, de práticas pedagógicas", explica.

 

Para mais informações sobre o livro, link.

 

Veja também

26 Março 2020

A prefeitura de Ouro Preto organizou um processo de vacinação de idosos em suas próprias residências, com o deslocamento de...

Leia mais

25 Março 2020

O Laboratório Piloto de Análises Clínicas (Lapac) da UFOP informa que permanece com as atividades rotineiras. Portanto, aqueles que estão...

Leia mais

16 Março 2020

Instrução Normativa nº 19, de 12 de março de 2020 Informe da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) The New England...

Leia mais

16 Março 2020

Folder do Ministério da Saúde Aplicativo do Ministério da Saúde - Android / IOS Cartilha - Saúde mental e atenção...

Leia mais