skip to content

Comissão avalia ações na crise do Coronavirus

Twitter icon
Facebook icon
Google icon

A suspensão das atividades acadêmicas e a implementação de trabalhos remotos, decidida pelo Conselho Universitário no último dia 17 de março, foi acertada e, até agora, pelo decorrer da crise gerada pela pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), não existe quaisquer condições de se estabelecer um prazo para que a rotina institucional se normalize. Esta foi uma das principais conclusões da Comissão de Monitoramento Administrativo e Acadêmico da Instituição - constituída por representantes da Reitoria, do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Sindicato dos Trabalhadores da UFOP (Assufop) e do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus -, que esteve reunida em webconferência na manhã desta quarta-feira, para uma avaliação dos cenários em curso.

Para a reitora Cláudia Marliére, as ações da UFOP têm tido um impacto positivo na sociedade, juntamente com as das demais Instituições Federais de Ensino Superior. Segundo ela, muito mais ainda precisa ser realizado diante do cenário de incerteza que se desenha sobre a contaminação do vírus em amplitude mundial, apesar das restrições orçamentárias aplicadas em nível do Governo Federal.

AÇÕES – Entre os vários encaminhamentos, foi discutida a necessidade de a Instituição intensificar suas ações nos municípios de Mariana e João Monlevade, cidades onde a UFOP mantém mais três campi. Isso se dará por meio das articulações com Comitê de Enfrentamento e do aumento das atividades de comunicação nos referidos espaços.

A representante do Comitê de Enfrentamento, Carolina Ali Santos, professora da Escola de Medicina, que esteve presente juntamente com o jornalista Rondon Marques, da Coordenadoria de Comunicação, também membro do referido grupo, fez uma explanação de como as ações preventivas estão ocorrendo, lembrando que profissionais qualificados da UFOP, entre outras ações, estão assessorando as unidades de saúde, em especial para a montagem do hospital regional de campanha, que se estrutura na antiga fábrica de tecidos de Ouro Preto. O local atenderá pacientes de toda a região, assim como vem ocorrendo com a Santa Casa.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos (Assufop), Sérgio Neves, destacou o importante papel que os servidores estão desempenhando neste momento de crise, mas ponderou que a UFOP pode ajudar ainda mais em processos educativos e de informação técnico-científica para trabalhadores de outras categorias, especialmente na área da mineração, que, segundo ele, continuam em plena atividade.

O DCE, por sua vez, que esteve representado pela coordenadora de Assistência Estudantil, Amanda de Paula Oliveira, e por Marcela Nícolas, coordenadora de Comunicação, se mostrou solidário às ações em curso. Segundo Nícolas, os estudantes podem contribuir mais em processos de mobilização comunitária, por meio de campanhas de comunicação a serem desenvolvidas ao longo da crise.

Participaram também do encontro o vice-reitor Hermínio Nalini; o pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento, Eleonardo Lucas Pereira, e o Chefe de Gabinete, Élido Bonomo.

Veja também

22 Janeiro 2021

Buscar meios de ampliar as informações foi um dos temas da reunião remota do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus, realizada...

Leia mais

19 Janeiro 2021

O evento "Covid-19, Duas Visões: Escola e Front", que acontece no sábado (23), a partir das 9h, está com inscrições...

Leia mais

15 Janeiro 2021

Em reunião remota realizada ontem (14), o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus retomou as atividades com uma análise da crise...

Leia mais

4 Janeiro 2021

Um grupo formado por pesquisadores da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Fundação Oswaldo...

Leia mais