skip to content

Dia D do Rio Doce promove troca de experiência entre pesquisadores

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Rodrigo Antunes
Entre os dias 28 e 30 de novembro, no Auditório Dimas Belarmina de Souza, no ICEB, o workshop reuniu pesquisadores, docentes, discentes e parte da comunidade atingida, direta ou indiretamente, pelos rejeitos do rompimento da barragem do Fundão, promovendo debates e apresentando estudos desenvolvidos dentro do cenário ambiental e social após o desastre. 
 
O evento, realizado com financiamento da Capes/CNPq, é uma iniciativa da rede de pesquisa Terra Água, que envolve a Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), a Universidade Federal de Viçosa (UFV) e a Universidade Vale do Rio Doce (Univale), em Governador Valadares/MG. 
 

rio_doce_3.jpg

Lívia Ferreira
O primeiro dia de evento concentrou discussões sobre saúde humana e meio ambiente, o chamado "EcoHealth", que relaciona o conhecimento já existente em saúde, transmissão de doenças, perturbações ambientais, dinâmicas ecossistêmicas e conservação biológica em integração com as consequências ambientais do desastre-crime.  
 
No segundo dia, o foco foi a ciência cidadã, uma ferramenta de trabalho que coloca pesquisadores e cidadãos — nesse caso, os atingidos — em um mesmo patamar, como contribuintes igualmente essenciais para as pesquisas acadêmicas. Uma questão indispensável nessa discussão é como fazer esses contatos sem invadir o espaço dos atingidos, devido à recorrência com que são procurados. Os participantes do workshop neste dia tiveram a oportunidade de colocar em prática as discussões sobre esse assunto por meio de uma dinâmica, promovida pela antropóloga Carolina Comandulli. 
 
Já o terceiro e último dia abriu espaço para a apresentação de redes de pesquisa de diversas Universidades. "Nós sabemos que existem muitos grupos de pesquisa na região. Na maior parte, e se não na totalidade delas, todos estão trabalhando isolados uns dos outros. Esse workshop, então, foi uma forma de reunir todos eles", comenta o coordenador do Terra Água e professor da UFV, Carlos Sperber.
 
 
TERRA ÁGUA — A rede de pesquisa da Universidade Federal de Viçosa (UFV) atua desde 2017 com financiamento da Capes, levantando estudos do processo de recolonização da mata ciliar e ambiente aquático, aliados a um processo de intercâmbio de informações com a população atingida pelos rejeitos do rompimento da barragem do Fundão, em Mariana/MG, em novembro de 2015.
 
OUTRAS INTERVENÇÕES — Os workshops e seminários ocorrem anualmente nas três Universidades envolvidas. Você pode acompanhar todas as ações pela página.

 

Veja também

8 Abril 2020

O Sistema de Bibliotecas e Informação (Sisbin) da UFOP disponibilizou uma plataforma com conteúdos voltados para a área da Saúde...

Leia mais

7 Abril 2020

A Liga Acadêmica de Fisiologia Endócrina e Metabolismo (Lafem) da UFOP vai debater o tema "Covid-19 x Endocrinologia", abordando esta...

Leia mais

6 Abril 2020

Os formulários do Projeto Coorte de Universidades Mineiras (Cume) serão enviados para o e-mail pessoal ou institucional dos ex-alunos de...

Leia mais

31 Março 2020

O Laboratório de Análise Experimental e Simulação de Sistemas (Laess) do curso de Engenharia Mecânica da UFOP começa a produzir...

Leia mais