skip to content

Administração Central discute na Procuradoria Federal temas de interesse dos servidores

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Além das discussões gerais acerca do orçamento das Instituições de Ensino Superior (Ifes) e dos encaminhamentos referente à nova minuta do Future-se, para análise, outras questões “têm causado preocupações em nossa instituição”, conforme avaliação da própria reitora Cláudia Marliére: a Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas da administração pública e o corte das Funções Gratificadas. Assim, dando sequência ao processo da Administração Central em manter um canal de comunicação sempre aberto com a comunidade, conforme discutido pela reitora na Assembleia Universitária realizada no último dia 2, a Reitoria busca prestar esclarecimentos à comunidade acadêmica, principalmente aos servidores. 
 
No que diz respeito à Política de Desenvolvimento de Pessoas, estabelecida pelo Decreto 9.991, a professora Cláudia reitera o conteúdo do ofício protocolado na Procuradoria da República no Município de Viçosa, no dia 11/10, afirmando que muitos questionamentos têm sido feitos quanto a sua aplicabilidade nas Instituições Federais de Ensino Superior. Isso porque, citando texto do próprio ofício, a reitora argumenta que os “servidores, no caso das universidades, possuem legislações específicas que versam sobre capacitação, afastamento e outros assuntos pertinentes a suas carreiras”.
 
Na ocasião, o assunto foi tratado diretamente com o procurador Gustavo Henrique Oliveira, em reunião que teve a participação da reitora, da assessora técnica, Débora Reis, e da prefeita da Prefeitura do Campus (Precam), professora Sandra Nogueira.
 
FUNÇÕES GRATIFICADAS – A questão das Funções Gratificadas (FGs), de níveis 4 a 9, extintas por decreto do Governo Federal em março deste ano, também foi abordada durante este encontro. No documento entregue ao procurador, a Administração Central argumenta que estas funções eram “ocupadas por servidores em nível de comando, coordenação e controle de setores”, alertando que a suspensão das gratificações está comprometendo parte do funcionamento dos serviços da Universidade. A reitora Cláudia lembrou que muitas instituições conseguiram reverter esta situação por ação do Poder Judiciário. Assim, ela acredita que o mesmo poderá ocorrer na UFOP.
 
Por fim, durante o encontro, foi discutida a construção de novos prédios no ICHS, que está condicionada a fatores externos, tais como liberação de recurso público pelo Governo Federal e autorização do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Veja também

18 Janeiro 2016

O novo software Pergamum tem previsão para ser implantado a partir da próxima segunda (25/01). Segundo a coordenadora técnica do...

Leia mais

1 Fevereiro 2016

Já foram definidas as datas das reuniões do Conselhos Universitário (CUNI) e de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE), que serão...

Leia mais

1 Fevereiro 2016

Em conjunto com as secretarias municipais de saúde de Ouro Preto e Mariana, a UFOP realizou na manhã de segunda...

Leia mais

12 Fevereiro 2016

A manhã desta sexta-feira (12) começou com visitas que proporcionaram uma troca de saberes entre a Universidade Federal dos Vales...

Leia mais