skip to content

Professores da UFOP estudam a efetividade da coleira para controle da leishmaniose visceral canina

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
Wendel Vital
O estudo acerca da efetividade da coleira impregnada com o repelente deltametrina, que busca reduzir as taxas de incidência da infecção canina pelo Leishmania infantum — parasita causador da leishmaniose visceral — foi feito pelos pesquisadores Alexandre Barbosa Reis e Wendel Coura Vital, do Departamento de Análises Clínicas da Escola de Farmácia da Univesidade Federal de Ouro Preto (UFOP), e Mariângela Carneiro, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O trabalho foi solicitado pelo Ministério da Saúde, que busca alternativas para evitar a infecção canina pelo parasita, e realizado por meio de um convênio entre a UFOP e a Prefeitura Municipal de Governador Valadares. A cidade ofereceu apoio logístico para a realização do estudo por ser considerada área endêmica da doença. A Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais também colaborou com o projeto, fornecendo testes sorológicos. 
 

prof._wendel_dando_treinammento_a_equipe_do_czz_gv.jpg

Wendel Vital
Professor Wendel durante o treinamento da equipe
 
Atualmente, o Programa de Controle e Vigilância da Leishmaniose Visceral tem como principais objetivos o diagnóstico precoce e o tratamento dos casos humanos, as ações de educação em saúde e a eutanásia de cães soropositivos. 

O estudo avaliou inicialmente 5.850 cães, dentre os quais foram selecionados 3.742, por serem soronegativos. A divisão ocorreu da seguinte forma: 1.812 cães fizeram parte do grupo que usou a coleira e 1.930 fizeram parte do grupo sem coleira (grupo controle). Os animais foram acompanhados por 12 meses, sendo reavaliados semestralmente com inspeção visual e coleta de sangue para testes sorológicos. No grupo em que houve a intervenção, também foi feita a troca das coleiras.

Foram realizados dois tipos de análise dos dados obtidos, uma por protocolo e outra por intenção de tratar. A análise por intenção de tratar avaliou todos os cães, sem levar em conta o uso coleira. Já a análise por protocolo avaliou apenas os animais que utilizaram a coleira durante todo o período.

Ao final do estudo, foi observada uma menor incidência de infecção por leishmaniose visceral entre os cães que receberam a coleira, especialmente entre aqueles que mantiveram a coleira durante todo o período de acompanhamento. Os resultados indicam que as coleiras impregnadas com deltametrina foram eficazes após um ano de acompanhamento e que seu uso contribui para o controle da infecção canina. 

 

equipe_de_coleira.jpg

Wendel Vital
Equipe responsável pelos testes com a coleira
 
A pesquisa contou com apoio e financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e do Ministério da Saúde. 
 

Veja também

22 Outubro 2021

O webinário desenvolvido pelo Núcleo de Pesquisas Impérios e Lugares no Brasil (ILB/PPGHIS-UFOP) busca divulgar trabalhos científicos produzidos pelo grupo...

Leia mais

20 Outubro 2021

Na última terça-feira (19), a Câmara dos Deputados convidou diversos pesquisadores da área ambiental para debater sobre o Decreto-Lei nº...

Leia mais

5 Outubro 2021

Os professores do Departamento de Física da UFOP Hermano Velten e Júnior Diniz Toniato, em colaboração com o professor Júlio...

Leia mais

5 Outubro 2021

O Conselho Editorial da revista "Além dos Muros da Universidade" (Alemur), da UFOP, abre inscrições para submissão de artigos para...

Leia mais