skip to content

Sensor desenvolvido na UFOP possibilita o uso de ventiladores mecânicos em mais de um paciente

Twitter icon
Facebook icon
Google icon
NPG
O equipamento está sendo desenvolvido pelo professor do Departamento de Engenharia de Controle e Automação e do Programa de Pós-Graduação em Instrumentação, Controle e Automação da UFOP Alan Kardek Rêgo Segundo, em parceria com o mestrando em Saúde da Família e médico da UFOP Tuian Santiago Cerqueira e outros profissionais da saúde. O sensor monitora a concentração de gás carbônico (CO2) em ventiladores mecânicos pulmonares, de forma que os aparelhos possam ser usados em mais de um paciente com Covid-19. O projeto está entre os selecionados para receber o auxílio financeiro que incentiva pesquisas relacionadas ao enfrentamento da doença. 
 
Os casos graves de Covid-19 geralmente causam complicações respiratórias nos pacientes, que necessitam de ventilação mecânica durante o tratamento. A função desses ventiladores é retirar o gás carbônico e oferecer oxigênio de forma contínua ao paciente, já que sua capacidade de fazer a troca natural de oxigenação do sangue é reduzida. "Por isso o paciente se sente ofegante e com dificuldades intensas na hora de respirar, sendo necessário o uso de um respirador. O sensor vai ser desenvolvido para monitorar esse volume de gás carbônico", explica Alan. 
 
Com o avanço da doença, a demanda por ventiladores aumentou, e o projeto busca uma solução para desafogar os hospitais. A ideia é aprimorar as técnicas de possível utilização múltipla de ventiladores mecânicos, ou seja, desenvolver um sistema que possibilite o compartilhamento do equipamento por dois pacientes. Alan explica que "é imprescindível viabilizar o monitoramento da concentração de gás carbônico expirado pelo paciente para que a ventilação possa ser melhor controlada".
 
O dispositivo que mede a concentração de gás carbônico, o capnógrafo, está em falta nos hospitais devido ao alto custo. De acordo com Alan, importar o aparelho custaria em torno de R$ 25.000,00. "Se você for importar apenas o sensor de CO2 e montar seu próprio capnógrafo para comercializar, o valor está em torno de RS 2.000,00, sem levar em conta o frete e a importação. Já o nosso sensor pretendemos desenvolver por um valor entre R$ 100,00 e R$ 200,00".
 
A pesquisa está em fase inicial. A expectativa é fazer os primeiros testes de laboratório até dezembro e os testes em hospitais até o meio do ano que vem.

Veja também

3 Dezembro 2021

A Universidade Federal de Ouro Preto participa de uma iniciativa de cooperação internacional desenvolvida em parceria com outras sete universidades...

Leia mais

30 Novembro 2021

Os resultados finais da avaliação dos projetos recomendados nos editais de seleção de orientadores de Iniciação Científica são para o...

Leia mais

24 Novembro 2021

O Grupo de Pesquisa e Ensino em Nutrição e Saúde Coletiva (Gpensc) da Escola de Nutrição (Enut) da Universidade Federal...

Leia mais

22 Novembro 2021

A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Proppi) divulga o resultado preliminar dos projetos recomendados nos editais de seleção de...

Leia mais